Translate

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

SuperNanny, os deuses me ajudem

Por mero acaso ouvi falar da Super Nanny e resolvi voltar ao passado para ver o programa.

Não podia acreditar. Para além dos vários problemas que contém, houve um que me angustiou. Utilizar a tortura de uma criança como programa televisivo e considerar a intimidação como método pedagógico de solução de problemas infantis.

Na prática o inovador método pedagógico descrito "é velho como o mundo". Vem escrito em vários manuais dos tempos antigos. Ele é constituído por três factores: cumpres regras, se cumprires tens prémio, se não cumprires tens castigo. Chama-se o Método da Cenoura e do Chicote.
Ensina a obedecer e a gostar do mandante.

Podia falar das teias familiares, da aprendizagem de padrões de comportamento, da educação por "choques eléctricos" em confronto com a mudança "respeitando o outro", etc... mas não sou capaz. A aberração é tão grande que não tem dignidade para ser tecnicamente discutida.

Apenas vou deixar dois videos que espero esclarecerem o que afirmo:







Como complemento e sem dispensar outras questões, o que me parece fundamental para ser pensado é ser uma criança de 7 anos que depois de perseguida e intimidada por 2 adultos perseguidores AINDA TEM CORAGEM PARA FUGIR.

Depois da "terapia educativa", é um refém destroçado a quem roubaram a energia e o élan da vida.
Poder-se-á admitir que este método seja divulgado na sociedade portuguesa como válido?


É importante não esquecer que na época actual há soluções para este problema sem destruir pessoas a ficarem "bonecos amarfanhados".

O método da "Cenoura e Chicote" era vulgar em tempos antigos para "educar" burros e cavalos, se obedeciam dava-se uma cenoura se recusavam usava-se o chicote. Era normal ser usado com escravos, servos e outros viventes.

Na época actual é utilizado em lavagens ao cérebro, interrogatórios, intimidações, etc, e nessas áreas, pelo menos, não se chama pedagogia pois sabem que não ajudam o "sofredor" apenas o utilizam e o destróiem.

Considerar este método de VIOLÊNCIA DOMÉSTICA SOBRE CRIANÇAS como pedagogia e terapia a usar e divulgá-lo na sociedade portuguesa em programas televisivos, no mínimo, é inaceitável.

1 comentário:

  1. Nem as crianças escapam à sede vampírica dos senhores da televisão, em busca de audiências.
    Como diz e muito bem, Nelson Trindade: é inaceitável, e eu acrescento, e também macabro.

    ResponderEliminar